A PROFISSÃO DE ADMINISTRADOR E O ESVAZIAMENTO DE SUAS ATRIBUIÇÕES.

O que se denota atualmente é que as atribuições do Administrador são tantas e permeia todas as outras profissões, que querem cada uma tirar um naco para si.

E a profissão de Administrador, como fica? Na área pública é notória e explicita a prática dessa ilegalidade que está sendo usada contra o Administrador. Onde já se viu o próprio governo que deveria cumprir a previsão legal do exercício das profissões,é o primeiro a desrespeitar essas normas.

Primeiro começou através do seu Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão (MPOG) a criar nas estruturas dos órgãos federais o cargo de nível superior de Analista Técnico Administrativo, no qual encaixa todos os profissionais de nível superior de Enfermeiro a Pedagogo, usando de forma ilegal as atribuições do Administrador para dar vida aos referidos, pois sem isso não teria essência.

Segundo, o mesmo MPOG patrocina o PLC 038/2016, que está no Senado, sendo que o mesmo já foi aprovado na Câmara (PLnº 4.253/2013), que cria a carreira de Analista de Recursos Humanos e Analista de Logística, e que constitui uma verdadeira aberração pois cria uma carreira com cargos com atribuições exclusivas do Administrador servidor público.

É de estranhar a não intervenção do Conselho Federal de Administração – CFA, órgão criado pela Lei nº 4.769/65, para fiscalizar o exercício da profissão de Administrador no Brasil. Não houve qualquer questionamento por parte desse órgão quanto ao conteúdo do referido projeto de lei que transita no Congresso desde 2013, e está em vias de ser sancionado e virar lei.

Por que o sistema CFA/CRA, não brigou e fez uma campanha nacional através da mídia pela inclusão do Administrador na carreira de  Analista de Recursos Humanos e Analista de Logística, como cargos exclusivos  dessa carreira já que utiliza nossas atribuições exclusivas legalmente estabelecidas pela Lei nº 4.769/65.

Diante de tais fatos, pergunta-se: para que serve finalmente o sistema CFA/CRA? Por que temos que  pagar a anuidade sob pena de ser cobrada judicialmente, e que só serve para enche os cofres desses órgãos todo ano?